fbnoscript
30 de junio de 2020

1 de julio vamos por uma nova paralisação de entregadores

Por Corresponsal
Agrupación de Trabajadores de Reparto

Apesar de serem declarados trabalhadores essenciais em muitos países, e como peças fundamentais da sociedade no âmbito do isolamento compulsório, a situação geral dos concessionários é a hiper-exploração e precarização extrema.

Tendo feito duas paralisações internacionais em 22 de abril e 29 de maio, golpeando as empresas que, na maioria dos casos, são patronais comuns com um programa unificado de sinistros, entregadores de aplicativos do Brasil, Chile, Equador, México, Costa Rica, Guatemala e Argentina concluíram um novo dia de luta comum e internacional.

Os entregadores temos a necessidade de ajustar a renda, temos sofrendo um congelamento há mais de dois anos e, até mesmo nos casos em que os rendimentos foram diretamente reduzidos em até 50%, empresas nos enviam às ruas sem materiais de segurança e higiene para evitar contágio; a falta de seguro contra roubos, choques e acidentes, a compensação das dezenas de mortes que se acumulam em todos os países nesses mais de três meses de pandemia é urgente.

Temos que lutar pelos direitos mais básicos dos trabalhadores, como dias de descanso, férias e reconhecimento da insalubridade para reduzir as horas de trabalho e, assim, realmente evitar as centenas de acidentes que ocorrem diariamente.

Há uma necessidade comum de lutar por uma regularização da nossa tarefa e desmascarar a relação dos "colaboradores", somos trabalhadores e vamos reivindicar nossos direitos.

Impulsionada pela bronca brasileira em frente ao governo fascista de Jair Bolsonaro, que militariza as favelas e descarrega a crise na população com menos recursos, parte dela virada para o trabalho de entregador, uma nova greve internacional foi convocada para 1º de julho.

Em cada país e em cada cidade que alcançarmos, promoveremos campanhas de adesão, discussão em nossos locais de trabalho e um grande chamado naquele dia para tomar as ruas novamente para exigir o que merecemos. Este chamado será até traduzido em três idiomas, para viajar pelo mundo e fortalecer a unidade internacional entre os trabalhadores.

No dia 1º de julho, os entregadores atacaremos novamente como um único punho para enfrentar Glovo, Rappi, Pedidos ya, etc. Vamos promover campanhas de adesão, discussão em nossos locais de trabalho e um grande chamado naquele dia para ir às ruas novamente para exigir o que merecemos.

Viva a terceira paralisação internacional dos entregadores!

Viva a unidade dos trabalhadores em todo o mundo que enfrentam não só a crise da saúde, mas confronta a crise capitalista que governos e empresas tentan colocar nas costas dos trabalhadores.

Nos organizamos e tomamos as ruas por:

-Por renda de acordo com a cesta familiar e um bônus de emergência por atividade essencial > -Chega de mortes, justiça para todos os nossos colegas falecidos, seguro de acidentes de trabalho PARA TODOS/AS

Chega de bloqueios arbitrários, restituição de todas as contas.

Contra áreas liberadas, rejeição de ordens sem sanções.

Protocolos para covid . Testes, quarentena e compensação financeira para todos os revendedores em contato com locais ou usuários com covid-19.

En esta nota:

Compartir