Português

29/11/2023

Mobilizemo-nos em todo o mundo para a vitória da luta palestina: Abaixo o Estado terrorista de Israel!

Londres

Castellano

English

1. O massacre em curso na Faixa de Gaza pelo terrorista Estado de Israel significa um salto na política de agressão e limpeza étnica que tem levado a cabo há anos contra o povo palestino. Como resultado dos bombardeamentos e da invasão de terras, já há mais de 14 mil mortos, incluindo milhares de crianças, segundo as autoridades sanitárias do enclave costeiro. Um milhão de palestinos foram forçados a evacuar as suas casas, amontoados em campos de refugiados em condições desumanas. O bloqueio da eletricidade, a entrada de combustível, água potável e alimentos constitui uma política consciente de crimes de guerra contra a população palestina. A ajuda que chegou é quase inexistente. Israel mantém como alvos ataques diários contra mesquitas, hospitais e escolas. As matanças não se limitaram a Gaza; na Cisjordânia já há mais de 200 assassinados atualmente por forças estatais ou paraestatais israelitas. Estamos perante nada menos do que um genocídio que é levado a cabo pela televisão minuto a minuto, na era da comunicação instantânea. Nós que possuímos a perspectiva de acabar com este regime de opressão somos chamados a agir com o máximo das nossas forças para derrotar esta tentativa.

2. A ação das organizações de resistência palestinas em 7 de Outubro foi um golpe para a política do Estado Sionista de Israel e do imperialismo Ocidental na região. Os marxistas revolucionários defendem o direito dos oprimidos de se defenderem. O dia 7 de Outubro foi a resposta à política cada vez mais agressiva de Israel sobre a população palestina em Gaza, Jerusalém e na Cisjordânia, que colocou em crise a adesão da sua liderança aos acordos de Oslo e à inviável solução de dois Estados. O nosso apoio à resistência palestina, uma frente única de luta que inclui organizações nacionalistas clericais e seculares e organizações que se afirmam marxistas, como a FPLP, não nos impede de salientar enfaticamente que a vitória do povo palestino depende de transformar o conflito atual numa revolução que conquiste uma Palestina única, secular e socialista. A ofensiva de Israel não se limita a Gaza. A população de origem árabe que habita Israel, 20% do total, é legalmente considerada como “cidadãos de segunda classe”, e são privados de múltiplos direitos civis, além de receberem assédio constante do Estado. Entretanto, na região da Cisjordânia, Israel exerce controle total sobre os movimentos palestinos, como se fosse um gueto. O governo de Israel entregou, só este ano, 27 mil fuzis aos “colonos”, uma população “civil” que recebe apoio estatal para avançar sobre os territórios palestinos, agindo como força de choque. Israel mantém mais de cinco mil presos políticos palestinos em condições desumanas, além de uma ocupação de fato do território sírio. É um regime de apartheid, de limpeza ética e de expulsão dos palestinos, que funciona como gendarme dos interesses imperialistas na região.

3. Negamos categoricamente que o conflito na Palestina se reduza a um problema racial ou religioso. O Estado de Israel foi estabelecido em 1948 de forma ilegítima, agindo como uma força de ocupação das casas da população da Palestina histórica. Durante a “Nakba”, a grande catástrofe, Israel praticou limpeza étnica, forçando o deslocamento de milhões de palestinos e assassinando milhares. O roubo de terras do povo palestino através da instalação artificial de Israel como Estado colonizador nas suas terras tem sido um empreendimento do imperialismo anglo-norte-americano, que não sobreviveria sem o envio sistemático de recursos e armas por parte destas potências, a fim de ser um enclave militar e económico para defender os seus interesses naquela região estratégica. A oposição à opressão que as pessoas deslocadas e forçadas a viver sob ocupação militar têm sofrido durante três quartos de século é um problema dos inimigos do imperialismo e dos internacionalistas em todo o mundo. Uma Palestina única, secular e socialista, no quadro de uma Federação Socialista do Oriente Médio, pode superar este conflito, integrando trabalhadores árabes e judeus com base na expulsão das forças sionistas/imperialistas. O que possibilitará isto será a rebelião dos trabalhadores e da juventude do  Oriente Médio. A rebelião no Irã no ano passado foi o melhor exemplo disso. A rebelião dos trabalhadores e da juventude no Iraque e no Líbano que surgiu em 2019-20 foi outro exemplo. Do Norte da África à Turquia e ao Curdistão, o potencial revolucionário dos trabalhadores foi demonstrado muitas vezes. Todas estas revoltas apontam para a única saída para os oprimidos e os trabalhadores. Existem condições materiais para uma onda regional de revolução socialista.

4. O conflito entre a Palestina e Israel ameaça cada vez mais tornar-se um conflito regional. Israel realizou bombardeios na Síria, no Líbano e no Egito. Os Estados Unidos levaram a cabo ações militares na Síria e mobilizaram dois porta-aviões com os seus grupos de navios e aeronaves para a região, para que estejam preparados para se juntarem a Israel num conflito regional, pretendendo atuar como um elemento de dissuasão à adesão à luta. A Turquia mobilizou a sua frota, mantendo ao mesmo tempo as suas incursões no norte da Síria.

5. Biden pediu ao Congresso norte-americano que votasse um pacote de ajuda militar, explicando que a sua campanha através dos exércitos de Zelensky na Ucrânia e na Rússia, e de Netanyahu no Oriente Médio  são fundamentais para o que ele chamou de “uma nova ordem mundial” que deve substituir a crise na cena internacional após a queda da URSS. O caráter estratégico desta ação do imperialismo, que inclui também o aumento da pressão naval e militar sobre a China, foi marcado por outros protagonistas. Zelensky levantou expressamente a sua exigência de estabelecer um enclave da OTAN na Europa Oriental sob a ideia de que isso consolidaria um “Grande Israel” na Ucrânia. O governo ucraniano também defendeu o “direito à defesa” de Israel enquanto é realizada a limpeza étnica em Gaza. O carácter reacionário da invasão russa da Ucrânia não pode servir para disfarçar a unidade da intervenção das forças financiadas e dirigidas pela OTAN em ambas as áreas, o que até foi esclarecido pela situação atual.

6. As mobilizações contra o massacre ocorrem em todo o mundo. Embora numerosos governos tenham encarado o seu alinhamento com o sionismo como uma oportunidade para arregimentar e perseguir as expressões da esquerda revolucionária, e tenham chegado mesmo ao ponto de proibir o uso da bandeira palestina, esta tremula em mobilizações, atos e até em eventos desportivos. Começamos a ver ações de trabalhadores contra fábricas de armas ou empresas envolvidas no fornecimento de Israel, como na Inglaterra, Itália, Catalunha ou Bélgica. No entanto, o movimento pode ser ainda mais massivo. É fundamental alinhar os sindicatos com a luta palestina, contra a manutenção da ofensiva sionista-imperialista com a qual os governos burgueses coexistem com diversos graus de apoio. Promovemos a mais ampla frente única para sair às ruas do mundo para repudiar o massacre em curso em Gaza. Os governos que se alinham com os assassinos devem sentir o chão a tremer sob os seus pés.

7. As guerras na Ucrânia e na Palestina são apenas parte do crescente militarismo que existe no mundo. As crises capitalistas cada vez mais virulentas são lançadas sobre as massas sob a forma de maior exploração, políticas de austeridade e cada vez mais um impulso militar. São exemplos da inviabilidade de um sistema social que gera rebeliões e confrontos permanentes, mas que só pode ser resolvido por uma luta revolucionária que varra a classe social parasitária que é a burguesia e instale a classe trabalhadora no poder.

8. Embora promovamos uma frente única mais ampla para a vitória da resistência palestina, não paramos de lutar contra a guerra imperialista na Ucrânia e contra os governos reacionários de Zelensky e Putin que a levam a cabo. O alinhamento de grande parte da esquerda, do movimento sindical e de outras organizações de luta social com um ou outro lado reacionário neste conflito significou um salto na integração daqueles que se dizem revolucionários ao Estado burguês. Perante as crises que atravessamos, precisamos mais do que nunca de reformar os laços do internacionalismo revolucionário, da independência de classe e da solidariedade internacional. O inimigo dos povos russo e ucraniano está nos seus próprios países, abaixo dos governos responsáveis ​​pela guerra de ambos os lados. Enfrentamos a luta entre trabalhadores criada pela guerra fratricida. Promovemos contra isso a unidade internacional da classe trabalhadora.

9. Reafirmamos nossas palavras-de-ordem: Abaixo o genocida Estado Sionista de Israel, fim dos crimes contra a população palestina. Pelo direito de regresso da população palestina deslocada. Por uma Palestina única, secular e socialista, como parte de uma Federação Socialista dos povos do Médio Oriente.

10. Frente única para parar o bombardeamento e a invasão sionista de Gaza. Pela retirada das tropas da Cisjordânia e de Jerusalém. Pelo fim do bloqueio a Gaza e pela queda dos muros do apartheid. Liberdade para prisioneiros palestinos. Solidariedade internacional com a resistência e o povo palestiniano.

Sair às ruas em todas as cidades em defesa da causa palestina.

Assinaturas:

PO (Argentina); SEP (Turquia); NAR (Grécia); Força 18 de Outubro (Chile); Grupo Vilcapaza e MST-P (Peru); Occhio di class (Itália); Política Revolucionária e Tribuna Classista (Brasil); İnqilabin Sesi (Azerbaijão).